sexta-feira, 21 de abril de 2017

DESAFIOS E POSSIBILIDADES DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EaD

DESAFIOS EPOSSIBILIDADES DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EaD

Resultado de imagem para ead 
            Não apenas na EaD, a avaliação é uma questão complexa de ser vivenciada de maneira a possibilitar ou atingir seu verdadeiro objetivo que é de compreender todos os fatores que contribuíram para que o ensino e a aprendizagem tenham se materializado ou não.
            Dessa forma, é importante que o tutor compreenda não apenas a avaliação como forma de punir e de atribuir notas, mas deve ser um processo que envolve avaliar todas as variáveis que interferem no seu trabalho.
            Portanto é indispensável ao professor ter claro o que espera da disciplina, da atividade, dos conteúdos ensinados e sobretudo o que pretende que os alunos aprendam no decorrer do trabalho. É também importante superar a visão de avaliação como instrumento para classificar, rotular, punir, analisando apenas o que o aluno aprendeu ou não aprendeu. É crucial que a avaliação ocorra em dupla direção, ou seja, que avalie o nível de aprendizagem  dos estudantes e por sua vez o trabalho de ensino do professor.

            Assim é papel da avaliação fazer com que professores e alunos compreendam seus avanços e problemas, nesse sentido é que avaliar deve ser concebida como ação consciente na qual o professor sabe quais instrumentos, critérios e função da avaliação. Assim o grande desafio é que as práticas avaliativas superem a visão de que é um instrumento que tem papel fundamental de classificar, transformando-se em uma função diagnóstica a qual norteia o ato de ensinar e aprender.


            Nesse sentido, práticas avaliativas que respondam a um modelo que visa a promoção da aprendizagem de todos e não a classificação, exige do professor e em especial do tutor um processo de organização do trabalho de modo a garantir a clareza dos objetivos, estratégias e quais instrumentos avaliativos a serem priorizados na atividade docente. 

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

quinta-feira, 16 de junho de 2011

PEBINHA

Informação e Intreternimento

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Solivida de Cara Nova


O Grupo Solidariedade é Vida iniciou suas atividades tendo como publico principal as pessoas soropositivas da Capital do Estado do Maranhão. Com o aumento da epidemia para o interior deste Estado, logo cresceu o número de pessoas que se dirigiam, do interior para a capital, para a realização de consultas e exames. Na inexistência de espaço para acolhimento, as pessoas ficavam nas praças e rodoviárias até retornar as suas cidades de origem. A ausência de Políticas Públicas para assistência às pessoas vivendo com HIV/AIDS era presente que a aquisição de uma Casa de Apoio para pessoas era vital. Foi quando O Grupo Solidariedade é Vida mobilizou-se, através de campanhas, para adquirir uma casa e transformá-la em uma Casa de Apoio para pessoas soropositivas, e assim aconteceu! Depois de muita mobilização com a ajuda de artistas da “terra”, da Paróquia do Monte Castelo, da Diocese de Nicolet, das Irmãs de Caridade de Montreal e a sociedade da Cidade de São Luís, como tal, conseguiu-se comprar e, aos poucos, ir estruturando a Casa de Apoio, atualmente, Lar Irmã Mônica. Voluntários foram chegando e garantindo o suporte humano e estrutural necessário para o funcionamento da mesma. Atualmente a Casa de Apoio “Lar Irmã Mônica funciona com o seguinte objetivo:

Atuamos para atender pessoas vivendo e convivendo com HIV/AIDS residentes na cidade de São Luis e entorno,bem como, demandas do Estado do Maranhão. Acolhemos uma média de 60 pessoas adultas por Mês - Alojamento com camas e banheiros- 05 refeições diárias;- Medicamentos;- Assistência de enfermagemOferecemos 300 cestas básicas mensais para os assistidos;Acompanhamos e orientamos gestantes vivendo com HIV/AIDS durante a gravidez e pós- parto;Fazemos marcação de consultas e exames médicos;Disponibilizamos transporte para pacientes debilitados em vista de consultas e exames laboratoriais;Realizamos visitas hospitalares e domiciliares às pessoas vivendo e convivendo com HIV/AIDSOrientamos para a adesão ao Tratamento e atividades para o resgate da cidadania;Prestamos assessoria jurídica;Realizamos Controle Social nas macro políticas públicas de Saúde, nos âmbitos Municipal, Estadual e Federal.